sábado, 30 de dezembro de 2017

Uma pequena consideração sobre o bem e o mal.

Ultimante tenho me debruçado sobre alguns princípios da filosofia estoica. Acho que tenho me conduzido pela reflexão ocasionada por grandes perdas e revezes sofridos: lutas, luto,doença, perseguição, frustração etc. Gosto da compreensão estoica de mundo, apesar de nem sempre concordar com ela. 


Entre os conceitos dessa filosofia, vejo com simpatia o princípio da Apatia: qualidade do homem justo e sábio de não resistir à vontade do Logos, princípio divino que a tudo determina com justiça e perfeição absoluta. Para os estoicos, o mundo é ordenado com perfeição, de maneira que todas as coisas acabam contribuindo para um propósito final. Dessa forma, considera-se que, numa perspectiva cósmica, o mal, em absoluto, não existe. Não, não estou dizendo que concordo com qualquer determinismo na ordem do mundo e nas ações humanas, nem que não existe o mal, isso tiraria de nós a responsabilidade por nossos atos. Apenas pego carona em parte do pensamento estoico para dizer que não dá para julgar, de imediato, se qualquer coisa que acontece pode ser reputado como um grande bem ou um grande mal. 

Numa perspectiva cósmica ou mesmo eterna, que circunstâncias poderiam ser  reputadas como um bem ou um mal para nós?  A gente não sabe. Por isso os estoicos nos orientam a que procuremos não sofrer tanto com as circunstâncias. Ou seja: conservar ceta apatia em relação aos acontecimentos. A orientação está de acordo com a declaração tranquilizadora de Jesus que diz: "O que faço, vocês não intendem agora, mas entenderão depois". Aliás, as recomendações bíblicas, principalmente neotestamentárias, vão nesse sentido, às quais também tenho recorrido. Retomando as palavras de Jesus, e
sse "depois", quanto tempo leva? Não sabemos.

Lendo a história de José do Egito, o hebreu que foi cruelmente vendido como escravo pelos irmãos, por causa da predileção que Jacó, o pai, tinha por ele, uma verdade me saltou das páginas.  Vi que o amor e cuidado exagerados de Jacó por José (um suposto grande bem) podiam lhe oferecer uma túnica de várias cores e uma posição de liderança em casa. A inveja dos irmãos ( suposto grande mal) lhe conduziu ao trono do Egito. Cara, a vida é muito louca. Não estou justificando as ações malévolas de seus irmãos nem jogando no demérito o amor de seu pai, só estou dizendo para a gente sofrer menos querendo compreender essas coisas que acontecem. Temos uma tendência a julgar precipitadamente as peripécias da vida. 

Lembro-me de um paciente que me contava as peripécias da vida com muita graça e sabedoria, apesar de eu saber que havia sofrimento. Um dia, lhe propus que a vida era um livro com capítulos ruins e bons e fiz a seguinte pergunta: "Quando você está lendo o livro de sua vida, em que capítulos você costuma empacar, nos capítulos ruins ou nos bons?" Ele deu um meio sorriso e respondeu: "Josafá, ruim é café com sal, coisa que não tem nenhum proveito. Agora no tocante ao que me acontece, não tem como eu definir se é um bem ou um mal". Antes que eu pensasse, ele completou: "O capítulo final do livro ainda não foi escrito".  

sexta-feira, 29 de dezembro de 2017

Vamos falar um pouco sobre ansiedade (uma perspectiva cristã)

A ansiedade no coração deixa o homem abatido, mas uma boa palavra o alegra. Provérbios 12:25.

“Enquanto o medo preserva a vida, a ansiedade a destrói. Enquanto o medo liga a vida à realidade, a ansiedade a deforma”. 

Não andeis ansiosos quanto à vossa vida (Mt 6.25).

"Lançando sobre Ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós" (1 Pe 5.7).


INTRODUÇÃO

Vivemos hoje uma Era de Ansiedade. A interação de vários fatores sociais, psicológicos e biológicos, como guerras, epidemias, desemprego, drogas, divórcio, violência generalizada, incerteza, estresse e doenças físicas, tecnologia acelerada, mudanças vertiginosas tem sido determinante para que um número cada vez maior de pessoas desenvolva quadros doentios de ansiedade e outras doenças psicológicas.

Segundo a OMS, pelo mundo 264 milhões de pessoas sofrem com transtornos de ansiedade, uma média de 3,6%. O número representa uma alta de 15% em comparação a 2005.

O Brasil é o país com a maior taxa de pessoas com transtornos de ansiedade no mundo e o quinto em casos de depressão. Segundo estimativas da Organização Mundial da Saúde (OMS), 9,3% dos brasileiros têm algum transtorno de ansiedade e a depressão afeta 5,8% da população. Pesam nesse cenário, dizem especialistas, fatores socioeconômicos, como pobreza e desemprego, e ambientais, como o estilo de vida em grandes cidades. (Estadão).  No total, 18,6 milhões de brasileiros viviam com algum transtorno de ansiedade em 2015 e 11,5 milhões de pessoas, com depressão no País (Isto é).

É interessante notar que a ansiedade é um mal que tem acometido as pessoas de todos os tempos, em algumas regiões mais (acho que é o caso do Ocidente), em outras menos; em algumas épocas, mais do que em outra. A Bíblia trata da questão da ansiedade em muitas de suas páginas. No capítulo seis de Mateus, Jesus nos adverte sobre o pecado de viver em função dos bens materiais e chama a atenção para as tristes consequências da cobiça que lança as pessoas numa ansiedade sufocante. O Mestre fala sobre a inutilidade de viver dessa maneira. Vejamos a aula que o maior Mestre deu sobre o assunto.

I.                   O QUE É ANSIEDADE

A ansiedade é um estado emocional de perturbação do Sistema Nervoso Central. Tal perturbação psíquica se caracterizada por um estado quase constante e permanente de inquietação, preocupação, angústia, intranquilidade, desassossego e medo que provoca um mal estar e uma tensão constante. A pessoa se encontra numa tensão constante e com "medo de algo" que ela não conhece nem sabe definir. Este estado de espírito altera negativamente a vida da pessoa e leva-a a afastar-se da realidade á sua volta, acabando muitas vezes por prejudicar a sua vida e os seus relacionamentos. 
Convém ressaltar que todo mundo é ansioso em certo grau, porque ansiedade é naturalmente um mecanismo de defesa. Ninguém que vai passar por uma cirurgia delicada consegue dormir com tranquilidade absoluta na noite anterior.   Destarte sentir ansiedade em certa medida é uma emoção normal do ser humano, quando se enfrenta  algum problema no trabalho, antes de uma prova ou diante de decisões difíceis do dia a dia. No entanto, a ansiedade excessiva pode se tornar uma doença, ou melhor, um distúrbio de ansiedade.


II.                   CAUSAS DA ANSIEDADE

Não se sabe ao certo por que algumas pessoas são mais propensas à ansiedade descontrolada do que outras. Alguns dos fatores que podem estar envolvidos nisso são:

●Genética, ou seja, histórico familiar de transtornos de ansiedade.

●Mentalidade ou modelo de pensamento, ou seja, a forma como a pessoa estrutura seus pensamentos ou linhas de raciocínio e, consequentemente, encara as situações do dia a dia. 

●Doenças físicas: Problemas cardiovasculares, como as arritmias cardíacas,

●Doenças hormonais, como hipertireoidismo.

●Abuso de drogas, álcool ou medicações como os benzodiazepínicos.

●Sociais e ambientais: Cuidados excessivos com a vida e com o acúmulo de bens materiais; dívidas insolúveis, saúde, mudanças bruscas, imprevisibilidade, as excessivas pressões sociais de nossos dias, passar por algum evento traumático ou estressante.

●Espirituais: Fé vacilante.A ansiedade começa onde termina a fé, e a fé termina onde começa a ansiedade.

●Emocionais: Medo, insegurança, desesperança, incerteza, cobiça.


III.                SINTOMAS DA ANSIEDADE
Sintomas psicológicos 
  • Constante tensão ou nervosismo
  • Sensação de que algo ruim vai acontecer
  • Problemas de concentração
  • Medo constante
  • Descontrole sobre os pensamentos, principalmente dificuldade em esquecer o objeto de tensão.
  • Preocupação exagerada em comparação com a realidade
  • Problemas para dormir
  • Irritabilidade
  • Agitação dos braços e pernas.
  • Dor ou aperto no peito e aumento das batidas do coração
  • Respiração ofegante ou falta de ar
  • Aumento do suor
  • Tremores nas mãos ou outras partes do corpo
  • Sensação de fraqueza ou cansaço
  • Boca seca
  • Mãos e pés frios ou suados
  • Náusea
  • Tensão muscular
  • Dor de barriga ou diarreia.

Sintomas físicos 
  • Dor ou aperto no peito e aumento das batidas do coração
  • Respiração ofegante ou falta de ar
  • Aumento do suor
  • Tremores nas mãos ou outras partes do corpo
  • Sensação de fraqueza ou cansaço
  • Boca seca
  • Mãos e pés frios ou suados
  • Náusea
  • Tensão muscular
  • Dor de barriga ou diarreia.


III.             JESUS APRESETNA OITO RAZÕES PARA EVITAR A ANSIEDADE (Mt 6).
1. A vida humana é mais que a parte física e, por isso, merece mais consideração do que os desejos pelas coisas físicas podem fornecer (v.25).
A gente precisa parar para ouvir Jesus mais atentamente. Ele não nos proibiu de possuir as coisas e de lutar por elas. Mas ele disse que a vida de um homem não consiste na abundância de bens que ele possui. A vida tem um valor intrínseco. Isso, antes de ser declarado na Constituição, é declarado na Bíblia.
Gosto muito das palavras do poeta que diz: “Não importa qual a cor de um homem, como ele se veste, de onde vem, dentro de um castelo ou de um barraco, ele é alguém” (Roberto Carlos). Ou então: “Acabei com tudo, escapei com vida.” Isso dá a entender que a vida tem um valor em si mesma.  
2. Deus, que cuida de animais inferiores como as aves, que não fazem provisão alguma para si, certamente cuidará de nós (v.26).
A Bíblia registra que Deus ouve o grito do filho do corvo pedindo alimento (Jó 38.41).
3. A ansiedade não altera as condições da vida e nem aumenta a sua duração (v.27).
Parece muito com o princípio estoico da independência: O homem não pode modificar coisa alguma, mas pode controlar suas emoções e reações. Nisso reside a independência das vicissitudes da vida humana.
4. Deus que outorga vestes às flores, que nem sabem raciocinar, certamente que providenciará as necessidades de seus filhos (v.28).
5. Em relação à ansiedade pelas coisas físicas, os seguidores de Cristo devem ter uma atitude diferente da dos gentios (v.32).
6. O Pai celestial conhece perfeitamente a nossa necessidade (v.32).
7. A busca do Reino de Deus e de sua justiça, por si mesma, garante o recebimento das coisas menos importantes (v.33).
8. A ansiedade por sua própria natureza é inútil e só acrescenta maior dose de sofrimento à vida diária (v.34).

IV.              COMO EVITAR A ANSIEDADE

A ansiedade não terá lugar em nossas vidas quando dermos prioridade a Deus, especialmente nas seguintes situações:

1. Trazer Deus para o centro da vida.  Isso quer dizer que Ele é o Senhor de sua vida. A gente não pode servir a dois senhores (6.24).

Veja o contra ponto no versículo anterior sobre servir a Deus ou a Mamon. Portanto, diante das finanças, devemos evitar a avareza e a busca desesperada pelos recursos deste mundo (1 Tm 6.6-11). As riquezas que acumulamos nesta vida são perecíveis e passageiras, mas as que ajuntamos no céu são perenes (Mt 6.19-20; Lc 12.16-21). A Bíblia afirma que Deus deve estar em primeiro lugar também em nossas finanças (Mt 6.19-34. Os bens materiais e a prosperidade são dádivas divinas (Ec 5.19 cf. 3.13; 1 Tm 6.17).

2. Dedicar a vida a um propósito que esteja para além da vida.

“Buscai, pois, em primeiro lugar, o Seu reino e a Sua justiça e todas estas coisas vos serão acrescentadas.” Mateus 6.31-33.

A vida sem um propósito eterno é como a luz de uma vela, isolada, fadada a extinguir-se em si mesma.  Parece curta de mais e sem significado. Nas palavras do poeta dedicadas ao seu ídolo: Pareceu-me que você viveu sua vida como uma vela ao vento (Elton John em tributo a Marilyn Monroe). Pois bem, a falta de sentido é um forte gerador de ansiedade.

Qual o propósito da minha vida? A gente precisa fazer um recorte do que quer ser e o que vai fazer para não se perder em comparações intermináveis e angustiantes com os outros. A gente precisa de contentamento. (Começa a aprender que não se deve comparar com os outros, mas com o melhor que pode ser).

3. Procure ter uma postura crítica acerca das coisas em cuja busca você se deixa consumir.  Você pode contar com auxílio do Espírito Santo.

3.1 Isso está implícito na advertência “Olhai para”: os lírios do campo, as aves dos céus [...], dando a entender “compare”, “preste atenção”, “não se deixe enganar”.

Olhai por vós mesmos; não aconteça que os vossos corações se carreguem de glutonaria, de embriaguez, e dos cuidados da vida, e aquele dia vos sobrevenha de improviso como um laço (Lc 21.34).

Li acerca de um homem que chegou à Avenida Paulista, centro financeiro de São Paulo, e começou a olhar para cima e apontar alguma coisa. Imediatamente alguém se aproximou e perguntou o que ele estava vendo. Ao que ele responde: “Você não consegue ver, não é possível”. O outro, com vergonha de dizer que não via, começou também a olhar e apontar. Em pouco tempo, havia uma multidão olhando e apontando, o quê, ninguém sabe. Assim mesmo são as pessoas hoje em dia. Estão em busca de coisas que elas nem sabem bem o que são e qual seriam o significado dessas coisas em suas vidas. Falta postura crítica.

O filósofo americano Ralph Waldo Emerso referia à época em que ele vivia (sec. 19), como a época em que “a gente vive como se corrêssemos sobre uma fina casca de gelo, se você parar ela racha e quando ela rachar você se afoga”. Zygmunt Bauman recorre a essa metáfora para dizer o seguinte: nós estamos atravessando o inverno e a casa é fina. Se você andar devagar, o chão racha e você morre


3.2 De que realmente você necessita?

Aprendi que, se você não consegue ser feliz com poucas coisas, não conseguirá ser feliz com muitas coisas. Pepe Mujica.

Ouvi alguns testemunhos de pessoas que passaram pela experiência horrível do câncer e sobreviveram. Invariavelmente elas dizem que o grande aprendizado que tiraram da experiência é o quanto precisam de pouco para viver. Que a vida é mais importante que todas as coisas. Jesus disse que a vida é maior que tudo isso que buscamos.

Temos necessidades cotidianas. Segundo Mateus 6.25-32, não precisamos nos preocupar sobre o que comeremos, beberemos ou vestiremos. Tal inquietação é infrutífera (v.27), inadequada para o crente e sinônimo de incredulidade (vv.31,32). O Senhor se apraz em suprir todas as nossas necessidades (2 Co 8.9; Ef 1.3; Fp 4.19).

Temos necessidade de qualidade de vida. A ansiedade pode ser prevenida a partir de medidas de qualidade de vida: Exercícios físicos diários; alimentação balanceada, equilibrada e de boa qualidade; cuidar da qualidade do sono; técnicas de relaxamento; religiosidade; arte-terapia;lazer.

4. Reconheça as limitações que você tem e as aceite.

Qual de vocês com todo o seu esforço conseguirá aumentar um côvado à sua altura? (v.27).

5. Ancorando o seu coração no lugar correto e seguro. Onde está o seu coração?

“Onde estiver o vosso tesouro, aí estará também o vosso coração” (Mt 6.21).

Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento.
Marcos 12:30.


CONCLUSÃO


Entrega teu caminho ao Senhor, confia Nele e tudo Ele fará (Sl 37.5). Não esqueça: sua vida é tudo o que você tem. Cuide-se. 

terça-feira, 28 de novembro de 2017

De que serviria um mundo sem a graça do evangelho?

Às vezes fico me perguntando como os nossos pais conseguiram viver sem INTERNET e essas tecnologias modernas, da mesma forma que também me questiono como que os nossos antepassados distantes conseguiram viver em um mundo sem o EVANGELHO e a graça que ele opera. Tenho a impressão de que o mundo sem INTERNET era solitário e vazio. Um mundo sem o EVANGELHO seria horroroso.
Li no livro Maravilhosa Graça, do Piliph Yancey, sobre alguém que disse ter saído da igreja porque viu ali pouca graça, mas que voltou para a igreja porque não conseguiu achar graça em lugar nenhum. Perfeito. Somente a igreja é portadora do Evangelho da graça, missão que lhe foi outorgada por Cristo. Mas claro que não estou me referindo essencialmente a denominações, a prédios, não, refiro-me à comunidade cristã espalhada por todo o mundo, mas que ganha visibilidade nas igrejas locais. Somente a igreja tem essa mensagem de um Deus que nos amou a tal ponto de ele mesmo decidir nos salvar pelos seus próprios méritos, não havendo nada de meritório em nós. Essa graça se espalha mundo afora naquilo que alguém denominou nuanças de graça divina sobre um mundo caído, tendo a comunidade dos santos como canalizadora. 
Em certa ocasião alguém questionou: "Para que serve uma cidade se nela não há uma escola ou uma igreja?" Eu pergunto: Para que serviria um mundo sem a GRAÇA  do EVANGELHO?