terça-feira, 28 de novembro de 2017

De que serviria um mundo sem a graça do evangelho?

Às vezes fico me perguntando como os nossos pais conseguiram viver sem INTERNET e essas tecnologias modernas, da mesma forma que também me questiono como que os nossos antepassados distantes conseguiram viver em um mundo sem o EVANGELHO e a graça que ele opera. Tenho a impressão de que o mundo sem INTERNET era solitário e vazio. Um mundo sem o EVANGELHO seria horroroso.
Li no livro Maravilhosa Graça, do Piliph Yancey, sobre alguém que disse ter saído da igreja porque viu ali pouca graça, mas que voltou para a igreja porque não conseguiu achar graça em lugar nenhum. Perfeito. Somente a igreja é portadora do Evangelho da graça, missão que lhe foi outorgada por Cristo. Mas claro que não estou me referindo essencialmente a denominações, a prédios, não, refiro-me à comunidade cristã espalhada por todo o mundo, mas que ganha visibilidade nas igrejas locais. Somente a igreja tem essa mensagem de um Deus que nos amou a tal ponto de ele mesmo decidir nos salvar pelos seus próprios méritos, não havendo nada de meritório em nós. Essa graça se espalha mundo afora naquilo que alguém denominou nuanças de graça divina sobre um mundo caído, tendo a comunidade dos santos como canalizadora. 
Em certa ocasião alguém questionou: "Para que serve uma cidade se nela não há uma escola ou uma igreja?" Eu pergunto: Para que serviria um mundo sem a GRAÇA  do EVANGELHO? 

sábado, 27 de maio de 2017

Saber ilimitado ou vaidade?

Sempre vi com alguma desconfiança esses intelectuais que opinam excessivamente sobre uma infinidade de assuntos e têm respostas e opiniões assertivas para todos os fenômenos, esses cujas opiniões não têm espaço para expressões como "eu não sei" ou "tenho dúvidas" ou "não falo porque não é da minha alçada".  

Outro dia, olhando esses vídeos virais da internet, em que pessoas bem conceituadas, intelectualmente falando, opinam sobre tudo e todos. voltei a atenção para alguns professores que têm uma opinião “segura” e fechada sobre todos os assuntos acerca  dos quais são questionados, assuntos que vão desde religião até politica nacional e internacional, passando, entre uma coisa e outra, por refugiados, cracolândia, corrupção, felicidade, amor, igrejas neo-pentecostais etc.

        É impressionante o saber desses que a mídia chama de "professor". Tudo bem, não há como não se espantar com a capacidade de armazenamento de memória deles. Citam fatos e nomes históricos, recentes e distantes, fazem referências às teorias mais diversas, nos campos da filosofia, psicologia, sociologia, teologia e política como se estivessem lendo numa enciclopédia. Se você correr para o Google a fim de conferir a veracidade do que estão citando, vai encontrar tudo de acordo com o que disseram. Porém o que me causa espécie é o fato de que esses caras sabem opinar seguramente sobre tudo, o bem e o mal, com possibilidade zero de serem sequer questionados por seus interlocutores. Eles sabem se Dória acertou ou não com a invasão da cracolândia, se o presidente acertou ou não recorrendo ao exército para proteger o patrimônio público de manifestantes enraivecidos, se a decisão do juiz foi ou não acertada em relação ao réu, se Jesus era ou não o Filho de Deus, se a virgem Maria casou ou não virgem e se Maomé deixou ou não descendentes.
  
Meu Deus, é possível saber de tudo o tempo todo com tanta certeza? Ou esses caras são iluminados e estão alumiando multidões com a sua luz ou já perderam, de há muito, os limites da vaidade humana, a  ponto de não terem mais bom senso para reconhecerem que, diante de alguns assuntos, melhor recorrer a especialistas da área do que sair por aí falando sobre coisas que não conhecem só porque a massa ignara aplaude. Entre uma coisa e outra, permito-me o benefício da dúvida.

Lembrei-me do pastor Ezequiel, homem simples e sábio. Eu estava ministrando uma aula de teologia uma vez, e ele era um dos meus alunos voluntários. Confesso que me empolguei na aula. Falei de tudo que me veio à cabeça com convicção e assertividade que a segurança do momento me permitiu. Respondi todas as perguntas que os alunos fizeram e não dei margem para réplica. Senti-me senhor do saber.

No final da aula, pastor Ezequiel se aproximou com o jeito que lhe é peculiar, parabenizou-me pela aula e sussurrou-me que eu havia cometido apenas um erro na ministração. E completou que o grande erro que um professor pode cometer é achar que somente ele sabe das coisas, que toda a sua plateia é ignorante ou menos sapiente. Antes que eu digerisse isso, ele emendou: “Cuidado, tem muita gente boa te ouvindo”. Santo remédio.

Bom, é o que tenho pensado ultimamente ouvindo esses caras que têm resposta para tudo. 

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Questões sempre inquietantes




Gosto muito dessas tirinhas de Luís Fernando Veríssimo. Na verdade, gosto de tudo o que este autor escreve. O senso crítico e reflexivo de sua abordagem da realidade, além de muito engraçado, desperta reflexões profundas. Ler Veríssimo é uma maneira divertida de se angustiar.

As personagens da tirinha, as cobras, são personagens irreverentes que questionam tudo e fazem de tudo. Deus, o universo, as pessoas, tudo enfim são objetos e sujeitos de sua reflexão e crítica. Nas tirinhas em apreço, gosto de ver a ilustração do quanto nós, humanos, somos irremediavelmente curiosos acerca de tudo, incluindo as questões metafísicas, como a origem de todas as coisas. Desde o homem mais primitivo até o homem moderno, a inquietação e curiosidade com a origem, propósito e sentido da vida estão evidentes.  A necessidade de resposta criou os vários mitos cosmogônicos, as teorias filosóficas e científicas, tudo muito insatisfatórios para dar conta dessa curiosidade insaciável. 

O cosmos nos impressiona, paralisa, desperta questionamentos e busca por sua origem. Todavia, parece tratar-se de uma realidade que foge à compreensão por causa das limitações estruturais de nossa mente. Pensando na grande sacada de Kant acerca da teoria do conhecimento, segundo quem só conseguimos conhecer a partir de estruturas mentais que nos limitam a tempo e espaço, entendemos que a humanidade viverá pelo tempo que lhe convier com essas questões cujas respostas esbarram nas limitações e nossos recursos epistemológicos. Ademais, as tirinhas mostram que nós temos uma capacidade muito grande de abstração, de desenvolver teorias e dar respostas evasivas ao mistério insondável –  por exemplo, a resposta do personagem dizendo que a vida é este hiato de perplexidade entre dois vazios, apenas dando conta de aspectos da multiplicidade da existência, ou uma forma de poetizar a realidade inapreensível pelos meios literais, e aí acho que o mito mostra-se mais satisfatório para tal propósito. 

Noto também que, na tirinha acima, há um retorno à mesma pergunta inicial, depois da incompletude e insatisfação da resposta, ou seja, voltamos sempre a mesma questão depois das respostas insatisfatórias acerca do mistério. Por fim, vemos que questões ontológicas são coisas nossas, que nos perturbam e fascinam, pois o mundo irracional e/ ou inanimado, como as estrelas, não se importam nem se alteram com isso. Acho que foi Francis Bacon que disse que  Galileu fez muito bem em ter renunciado às suas ideias heliocêntricas para escapar com vida, afinal de contas, tivesse sido sacrificado pela Inquisição  por persistir em afirmar suas descobertas, em nada teria alterado a ordem das coisas.