terça-feira, 19 de abril de 2011

Portuário do Caos (M. L. J.)


                          No portuário do caos,
                      Há resquícios de esperança cansada,
                      Há vertigem de seres desbotados
                      E decantação de humanos inumanos.
                     
                      No dissabor das trevas que a luz retarda
                      Olhos brilham assustados,
                      Porque nem tudo é perceptível a eles,
                      Mas no reflexo de uma janela vítrea
                      Versos rasgados
                      Poemas enxovalhados
                      Cartas relidas, rasuradas
                      Ilusões perdidas
                      Fé combalida
                      Flores murcham, inelutavelmente
                      A vida se definha
                      O estro arrefece
                      A razão aliena-se
                      Delira-se sórdida confiança
                      Verte-se sangue verde
                      E pagam-se tributo aos deuses,
                      Tributos escorchantes
                      A seres que não se importam
                      Em esclarecer nossas dúvidas
                      Eles apenas assistem, insuscetíveis,
                      Ao portuário do caos.













Postar um comentário