domingo, 26 de agosto de 2012

Josué, um líder engrandecido por Deus

“Mais digno de ser escolhido é o bom nome do que as muitas riquezas; e a graça é melhor do que a riqueza e o ouro”(Pv 22.1).

A Bíblia diz que o Senhor, como havia prometido, engrandeceu seu servo Josué diante de todo o povo de Israel (Js 3.7; 4.14) e fez de tal forma que o temor dele caiu até sobre seus inimigos. A promessa de Deus era a esse abnegado servo era: “Assim como fui com Moisés, serei contigo”. De posse da promessa, Josué transformou-se num excelente estrategista de guerra (Js 8.3-22). Os reis de Canaã nunca tinham conhecido estratégias tão eficientes, embora excêntricas, como a que Josué usara em Jericó. Viram a forma espetacular como o grande líder se insurgiu contra os habitantes da cidade de Ai. E o mais interessante: ouviram sobre a devoção de Josué a um Deus capaz de abrir o Jordão, ou antes o mar Vermelho, ao meio para fazer passar o seu povo. Por tudo isso, o temor caiu sobremodo sobre aquele povo. É obvio que o respeito a Josué devia-se ao fato de o Senhor Deus estar à sua frente, operando grandes sinais por meio dele. Aliás, é pertinente perceber o sentimento dos cananeus nas palavras de Raabe.

Bem sei que o Senhor vos deu esta terra e que o pavor de vós caiu sobre nós, e que todos os moradores da terra estão desmaiado diante de vós. Porquanto temos ouvido que o Senhor secou as águas do mar Vermelho diante de vós quando saíeis do Egito, e o que fizestes aos dois reis dos amorreus, a Seon e a Ogue, que estavam dalém do Jordão, os quais destruístes. Ouvindo isso desmaiou o nosso coração, e em ninguém mais há ânimo algum, por causa da vossa presença; porque o Senhor vosso Deus é Deus em cima nos céus e embaixo na terra (Js 2.9-11).

Os anos de dedicação ao Senhor e a Moisés contribuíram muito para conferir honra e respeito ao bom nome de Josué. Aliás, respeito e honra não é algo que se impõe, mas algo que se conquista. A fé do servo de Moisés em Deus fê-lo tornar-se um líder de grande projeção para todo o povo (Js 1.16-18). Vale aqui transcrever o comentário do pastor Elienai Cabral sobre o bom nome de Josué.

O grande sábio Salomão declarou que mais “digno de ser escolhido é o bom nome do que as muitas riquezas; e a graça é melhor do que a riqueza e o ouro”(Pv 22.1). Josué tinha um bom nome que se destacou pela fidelidade a Deus e a Moisés. Quando ele e Calebe deram seu relatório diferente dos demais, enfrentaram resistência. Eles tentaram convencer a Israel de que deveriam entrar na terra prometida, mas ninguém deu muita atenção ao seu relatório. Eles ainda não tinham construído um nome que influenciasse suficientemente o povo para decidir entrar na terra. Aquele povo temia o futuro e estavam acomodados com as coisas do presente. Porém os anos se passaram e Josué conquistou o seu espaço de liderança, porque era um homem temente a Deus; era correto nas suas atitudes e procurou viver de acordo com um padrão que o tornou conhecido e influente. Ele ganhou bom nome porque sabia obedecer a Deus, sendo servo, guerreiro e líder do povo. Diante do desafio do Jordão, por sua liderança convenceu o povo de que Deus estava com ele e lhe daria vitória. Seu caráter era um referencial. Ele valorizava o que era certo, mesmo que, politicamente, não agradasse a todos. Essa postura tornou-se conhecida entre todos e tornou-se uma imagem positiva de influência. Por isso seu nome ganhou respeito, não só entre o seu povo, mas expandiu-se entre as nações (CABRAL, Elienai. Josué: um líder que fez a diferença. Rio de Janeiro: CPAD, 2009, p 94).

Postar um comentário