sábado, 2 de junho de 2012

Como vencer a depressão

Continuação de
Depressão e luz no fundo do Túnel
A depressão do profeta Elias
Saiba que depressão é uma doença e tem tratamento

Não temos a pretensão de prescrever uma receita pronta para  curar o mal da depressão, isso seria ignorar a singularidade de cada caso, bem como a variação de gravidades dos quadros depressivos. Aliás, o que de pior se pode fazer para uma pessoa deprimida é simplificar a situação dela, fazendo generalizações e apresentando saídas mágicas. O que orientamos a seguir são passos importantes que servem para evitar o agravamento da doença e possibilitar a restauração paulatina da saúde.

1. Não se isole, compartilhe sua dor com pessoas de sua confiança

 Uma pessoa deprimida normalmente quer ficar sozinha, isolar-se, cortar relacionamentos e comunhão. Aliás, não há nada mais difícil para uma pessoa deprimida do que conseguir relacionar-se pessoalmente. Temos lidado com alguns irmãos e amigos que evitam encontros nas ruas, mudando de caminho, não atendem o telefone e diminuem drasticamente a frequência nos lugares aonde normalmente vão. Todavia, isolar-se é a decisão mais desacertada que alguém pode tomar quando está deprimido, pois este é o momento quando mais se precisa de companhia.

Não é de surpresa a constatação de uma pesquisa sobre suicídio que mostrou um índice maior de tentativa de suicídio na zona rural do que na zona urbana, sugerindo que na vida isolada do campo, além da pequena probabilidade de suporte social e cuidado com a saúde mental, o isolamento social pode ser um fator de grande risco para o agravamento da doença mental e consequentemente para o suicídio (Grandin et al. (2001).

O ser humano é um ser gregário e, portanto, isolado torna-se vulnerável aos perigos das próprias imaginações e fantasmas, uma vez que a solidão joga o foco do indivíduo para dentro de si mesmo. Foi Rubem Alves quem disse que, no silêncio, quando os bichos de fora silenciam, os bichos de  dentro começam a uivar. É assim que acontece com a pessoa que fecha a porta para o mundo, imediatamente ela começa a ser confrontada com seus próprios fantasmas, os quais são sempre agigantados pela visão distorcida de mundo sintomática da depressão. É necessário que alguém com uma visão de fora pacientemente aclare a realidade e oriente sobre procedimentos a serem tomados, como procurar ajuda profissional por exemplo. 

Veja o caso do profeta Elias, no momento em que mais precisava de companhia, ele escolheu ficar sozinho. É isso o que muitos têm feito. Como observa o pastor Michael Youssef, um dos propósitos de se estar ativo na igreja é a comunhão mútua, encorajamento e confirmação da Palavra de Deus. Somos membros de um corpo, feitos para trabalhar juntos. Precisamos uns dos outros. Portanto, se você está tentando se virar sozinho no meio dessas densas trevas, pare agora. Jesus não foi sozinho ao Monte das Oliveiras na noite de sua agonia. Ele levou consigo Pedro, Tiago e João. O Mestre contava tanto com eles que se incomodou ao encontrá-los dormindo (Mt 26.36-46). O apóstolo Paulo era um homem que não dispensava o auxílio de bons amigos com quem compartilhava as suas aflições e tribulações (2 Co 2.13; 7.6; Cl 4.7-14). O exercício da verdadeira amizade é uma terapia eficientíssima. Às vezes bastam dois ouvidos dispostos para levantar o deprimido.

2. Procure ajuda profissional especializada

"Quando a tristeza toma conta de tudo e a vida se torna um fardo insuportável, procure ajuda psiquiátrica para saber se há necessidade de psicoterapia e medicamentos (...). Não deixe para mais tarde. Não descuide de sua saúde mental." Dr. Drauzio Varella.* 

Todo processo de cura começa com o reconhecimento da doença que mobiliza à procura de auxílio especializado  Saiba que depressão é uma doença e seu tratamento exige um trabalho em equipe multiprofissional. Eu mesmo já sofri terrivelmente deste mal e me curei quando entendi que estava doente e que precisava urgentemente de cuidados de profissionais especializados. Compreendi que não era frescura, moleza, uma simples tristeza ou mesmo as conseqüências passageiras de alguma perda ou frustração, como alguns imaginavam. Também percebi que a oração do pastor, o apoio da família e a conversa com bons amigos, apesar de muito importantes, não bastavam para dar conta de meu tormento. Era mesmo uma doença como qualquer outra, e como tal, exigia cuidados médicos. É preciso se certificar se não á algum fator de ordem fisiológica determinante na depressão, bem como das consequências da depressão na saúde física  e isso só pode ser feito por um médico.

É verdade que vivemos num mundo gerador de angústia e desespero, e o angustiar-se diante das intempéries da existência é prova de que estamos vivos e sentimos a vida, mas também é verdade que carregamos em nossas entranhas a capacidade de superação, resiliência, que mobiliza ao prosseguimento com a própria vida. Portanto se as angústias tomarem proporções tão profundas e duradoras a ponto de inviabilizar a própria vida, procure ajuda de um psiquiatra ou psicólogo urgentemente.

3. A importância da espiritualidade. Talvez você não seja cristão, não vai à igreja, mas pode ser que você acredite em alguma realidade transcendental, num poder sobre-humano. E mesmo que você seja ateu, com meu sincero respeito, o que importa agora, não é? Nas trincheiras, a fé é uma necessidade vital. Como disse alguém, não existem ateus nas trincheiras. Coloque sua descrença à prova e desafie este "suposto" Deus a revelar-se a você.

3.1 Confie firmemente no caráter bondoso de Deus. Àqueles que acreditam em Deus, quero dizer que todas as pessoas estão sujeitas a deprimir-se, cristão ou não. O apóstolo Paulo, nas várias cartas que escreveu às igrejas de sua época, fala de suas crises depressivas, principalmente na carta que escreveu aos efésios, quando estava preso. Em Co 1.8, o apóstolo diz que fora agravado de tal forma, mais do que podia suportar, ao ponto que chegou a desesperar da vida. Temos muitos outros casos como os de Moisés, Elias, Davi (Sl 22) e Asafe (Sl 73). Nós somos homens como eles, sujeitos às mesmas paixões, e hoje somos submetidos a pressões ainda maiores. Como aqueles homens fizeram no passado, é imprescindível que confiemos firmemente em Deus. Ele é poderoso para guardar a nossa mente sã. Isaías, lá do rol dos heróis da fé, manda-nos uma receita: “Tu conservarás em paz aquele cuja mente está firme em ti, porque ele confia em ti; confiai no Senhor perpetuamente, porque o Senhor Deus é uma rocha eterna” (Is 26.3,4).

Entregue sua vida e o seu futuro a Deus, como José o fez. Apesar das contrariedades sofridas pelo filho de Jacó, ele não deixou de acreditar que o Senhor estava no controle de tudo e que guiaria sua nau por entre as vagas revoltas. Dependendo da gravidade do caso, a pessoa deprimida não tem condição de gerir sua própria vida, tomar decisões importantes e não sabe para onde está indo a embarcação de sua vida. Ele apenas se vê envolto em uma nuvem espessa de incertezas. Por isso, Pedro nos aconselha a que lancemos sobre Ele [Deus] toda a nossa ansiedade, porque Ele tem cuidado de nós (1 Pe 5.7).

3.2 Recorra ao poder da oração. Eu não acredito que exista terapia mais eficaz do que a oração para trazer cura e alívio ao coração abatido. É bem verdade que se trata de prática intimamente relacionada à espiritualidade, mas tem implicações em todos os seguimentos da vida do sujeito e provoca mudanças de ordem emocional, psíquica e até física, porque um ambiente emocional saudável reflete no funcionamento do corpo. "Um coração alegre aformoseia o rosto".

Lendo a Bíblia, principalmente nos salmos, vamos encontrar homens afundados em aflições rasgando a sua alma perante o Senhor (Sl 22; 86; 88), o maior de todos os psicólogos. O maior exemplo, sem dúvida, é o de Jesus que, em indescritível agonia, clamava intensamente ao Pai, que o podia confortar (Mt 26.36-46). Atente para a promessa de Deus no Salmo 50: "E invoca-me no dia da angústia: eu te livrarei, e tu me glorificarás" (v 15).

Um amigo, em grande aflição, perguntou-me se a oração tem o poder de mudar qualquer situação. Respondi-lhe que num sentido objetivo não, mas num sentido subjetivo sim. Ao perceber sua cara de quem não entendeu, expliquei que nem sempre é possível mudar a realidade objetiva em nossa volta, mas a oração muda o sujeito, levando-o a conferir um significado diferente à realidade. A oração, como a boa psicoterapia,  altera a visão que o indivíduo tem sobre os fatos. E a mudança de visão do indivíduo sobre os fatos vai alterar a sua ação sobre a realidade. Na verdade,quando a nossa leitura da situação muda, a partir de uma transformação profunda que aconteceu em nós, a realidade externa também já não é a mesma. Na vida, mazelas como preconceitos, discriminação, disparidade social, doenças, violência, injustiça, etc. serão sempre uma realidade presente. Como diz um poeta: "A gente reza, ora,chora, e continuam sempre os mesmos problemas". Mas o olhar e a disposição do indivíduo sobre toda essa realidade farão toda a diferença.

Ore!

*http://globotv.globo.com/rede-globo/fantastico/v/depressao-atinge-350-milhoes-de-pessoas-no-mundo/2411751/
Postar um comentário