domingo, 14 de abril de 2013

As promessas de Deus, fundamento de nossa eterna esperança



“Eu dou um passo, ela dá dois passos. Eu dou dois passos, ela dá quatro passos. Eu dou quatro passos, ela dá oito passos. Para isso serve a utopia, para eu seguir caminhando.” Eduardo Galeano.
"Esperança é essa impressão de que a grandiosidade dos resultados vindouros compensará qualquer sacrifício no presente" J. R. Lima. 
" O futuro é tão promissor quanto as promessas de Deus." William Carey.

Todos nós precisamos de um sonho, uma utopia, um carro chefe que arraste nossa visão para frente e nos proporcione uma dose adequada de esperança que não nos deixe sucumbir aos desafios do presente. Vítor Frankl, no seu livro Em busca de sentido, que conta sobre sua experiência no campo de concentração nazista, relata que entre os prisioneiros, aqueles que tinham uma visão projetada para frente conseguiam achar força e motivação para continuar lutando e vivendo. Eles pensavam em como seria o reencontro com as famílias e amigos, ou qual seria a sensação de refazerem as  atividades preferidas, os encontros entre antigos conhecidos nos bares de sua cidade natal onde poderiam contar todas aquelas experiências terríveis entre um gole e outro de sua bebida predileta. Mas os que não tinham essa perspectiva facilmente sucumbiam, porque estavam aferrados a um "passado feliz e sem volta" contrastado com as agruras da vida presente.


Para onde lançamos o olhar? Essa é uma das questões cruciais da vida. Temos as experiências do passado, os desafios do presente e as promessas para o futuro. Entre os companheiros de Frankl, havia os que estavam aferrados a “um passado que não volta mais” que impossibilitava qualquer esperança no futuro. Outros se aferravam apenas ao presente aterrorizante e deletaram sua história de vida, pois resumiam-se apenas a prisioneiros de campo de concentração. Como afirma um prisioneiro descrito no livro A noite*,que também trata de experiência no campo de concentração nazista, “Eu era apenas um estômago faminto”.

Não podemos fragmentar temporalmente nossa história de vida sem grandes prejuízos, pois o que somos  se alicerça no que já experimentamos, na forma como lidamos com nossos desafios no presente e nos projetos e planos que nos projeta para a frente. Precisamos integrar essas facetas de tempo em um todo que dê sentido á nossa luta, ao que fazemos. O meu passado me diz que eu tenho uma história, meu presente com seus desafios me diz que a minha história não está fechada, é abertura e possibilidades, e a visão de futuro nos cochicha o vislumbre de um capítulo final cuja frase de encerramento será parecida com aquela vista nas histórias infantis: “E viveram felizes para sempre”.

Precisamos ter esperança no futuro enquanto encaramos os desafios do presente com os recursos angariados nas experiências do passado. O que é esperança? Esperança é este olhar projetado para o futuro, a impressão, ainda que pálida, de que dias melhores virão, que a vida dará uma reviravolta e transformará as experiências em algo muito edificante, que a grandiosidade dos resultados compensará qualquer sacrifício. É isso que nos move.

As promessas de Deus, nossa real motivação.
O que nos move ou nos paralisa? Por que estamos aqui e não em outro lugar? Por que escolhemos fazer isso que fazemos dentro de uma infinidade de possibilidades que a vida proporciona? Em meio a todas estas questões e imbróglios da vida, a gente não pode perder de vista aquilo que Deus pensou para cada um de nós. E o que Ele pensou a nosso respeito é uma parte integrante de um projeto maior relacionado à sua igreja. A gente não pode perder de vista aquilo que Deus projetou para sua igreja desde os tempos eternos. 
Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou pela sua glória e virtude. Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo (1 Pe 1.3,4). 
          As promessas de Deus, nossa real motivação.
Visto como o seu divino poder nos deu tudo o que diz respeito à vida e piedade, pelo conhecimento daquele que nos chamou pela sua glória e virtude. Pelas quais ele nos tem dado grandíssimas e preciosas promessas, para que por elas fiqueis participantes da natureza divina, havendo escapado da corrupção, que pela concupiscência há no mundo (1 Pe 1.3,4).
Na Bíblia, Deus faz promessas que são gerais e promessas que são individuais,  promessas que são para Israel e promessas que são  para a igreja. 
As promessas de Deus cumprem seus propósitos
A sua vida cumpre parte importante dos propósitos de Deus.
Deus estabeleceu seu propósito desde a eternidade
É mais por ele do que por nós ( o caso de Moisés; o juramento feito a Abraão).

As promessas de Deus são um ato de sua soberana vontade (tem origem nos pensamentos de Deus).
No texto de Isaías 55, o profeta se refere aos pensamentos de Deus, seus propósitos e seus caminhos como a fonte soberana de onde se derivam todas as suas ações no seu relacionamento com o homem, inclusive as suas promessas (vv. 8,9). 
Estão asseguradas em seu caráter e poder
A firmeza de Seu caráter figurado em uma rocha (Dt 32).
Seu caráter figurado por meio de montanhas (Sl 125).
 As promessas de Deus: contra as  distrações do caminho
A Bíblia se refere a nós como atletas que têm uma carreira pela frente. Aliás, a vida pode ser comparada a uma maratona, um grande teste de resistência e paciência. Nesta carreira que nos foi proposta, (Hb 12.1), haverá coroação apenas  para aqueles que cruzarem a linha de chegada, independente da posição ocupada: “Sê fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida” (Ap 2.10). Ouvi dizer que uma pessoa é medida não por aquilo que principia a fazer, mas exatamente por aquilo que consegue terminar. O pregador disse que “é melhor o fim das coisas do que o princípio delas…” (Ec 7.8). Portanto, a promessa de Deus são o carro chefe que forçam a nossa atenção para a frente e nos instam a que 

Prossigamos para o alvo “Prossigo para o alvo, pelo prêmio da soberana vocação de Deus em Cristo Jesus.” (Fl 3.14). 

Deixemos todo o embaraço “Portanto, nós também, pois, que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo embaraço e o pecado que tão de perto nos rodeia e corramos, com paciência, a carreira que nos está proposta.” A grande façanha das promessas é atrair o foco da visão, é chamar a atenção para frente, é como uma voz dizendo ei, aqui (faça o gesto),para aquilo que está adiante. Aliás, é uma necessidade humana este mover-se para frente. 
A importância da fé
“Vendo-as de longe e crendo nelas e abraçando-as, confessaram que eram estrangeiros e peregrinos na terra.” Vejam todos: foi a visão de futuro deles que determinou o seu comportamento presente.

Nós estamos guardados, amparados, cercados pelas promessas de Deus. Suas promessas fortalecem a nossa fé.
“Lembra-te da palavra dada ao teu servo, pela qual me fizeste esperar, ela é a minha consolação na minha angústia, porque a tua palavra me preserva a vida.” Sl 119.49.

Deus não retarda sua promessa
O Senhor não retarda a sua promessa, ainda que alguns a têm por tardia; mas é longânimo para conosco, não querendo que alguns se percam, senão que todos venham a arrepender-se (2Pe 3.9). 

O tempo não é um obstáculo para Deus.
As circunstâncias não são obstáculos para Deus.

Finalizamos com este lindo texto de João Bunyan, no livro O peregrino: Andando pelo deserto deste mundo, cheguei a um lugar onde havia uma caverna . Ali me deitei para dormir; enquanto dormia, tive um sonho. Vi um homem vestido em farrapos, com as costas voltadas para o seu lar, um livro na mão, carregando um grande fardo. Olhei, e o vi abrir o livro e ler; enquanto lia, chorava e tremia. Não podendo conter a angústia, rompeu numa dolorosa lamentação: Que farei?
Vê aquela luz brilhante? Firme os olhos na luz, vá diretamente ao rumo dela e você encontrará o portão. 

Postar um comentário